Siga nossas redes

      
selo_final_Prancheta 4.png


Arte como um processo terapêutico

Embora seja uma atividade milenar, a Arteterapia se desenvolveu há cerca de 60 anos e consiste na criação artística sem preocupação estética, mas para expressão de sentimentos

Folha do Oeste
ok
Foto: Arquivo Pessoal

Desde os primórdios até a contemporaneidade, a Arte é uma das formas de manifestação da humanidade. “Não importa a forma pela qual o homem se expresse artisticamente, seja pela dança, música, pintura, gravura, fotografia, escultura, literatura ou teatro, ele estará representando suas emoções, impressões, percepções e seus sentimentos da realidade que vive”, segundo explica a especialista em Arteterapia em SMOeste, Marilei Teresinha Dal Vesco.

Ela ressalta que a arte sempre foi uma forma de comunicação, usada pelo homem para expressar o que ocorre no mundo interior e ao seu redor. “Estudos mostram que, quando uma pessoa deixa de criar - em todos os sentidos - está doente” e essa é uma das razões apontadas para que, ainda na Grécia Antiga, a arte já tenha sido usada como prática terapêutica. “A crença era de que para ser curado seria necessário ter contato com as mais variadas formas artísticas”, destaca.

EM BUSCA DE ESPAÇO

Atividade de sensibilização com uso de tinta

A Arteterapia em si, bem como a bibliografia específica da área, tem crescido consideravelmente no Brasil nas últimas décadas. Já foram realizados vários congressos nacionais que reuniram arteterapeutas brasileiros, da Europa e dos Estados Unidos, onde, em 1969, foi criada a American Art Therapy Association, responsável pela difusão do processo.

De acordo com Marilei, o uso terapêutico da atividade artística pode ser feito por pessoas que experienciam doenças, ansiedade, traumas, assim como gestantes ou pessoas que buscam autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e melhoria da qualidade de vida.

Ela comenta que, por meio do processo de criação e da reflexão sobre o trabalho artístico resultante, os indivíduos podem ampliar o conhecimento de si e dos outros, aumentar a autoestima, lidar melhor com sintomas, estresse, experiências traumáticas e desfrutar do prazer vitalizador do fazer artístico. “O contato com materiais e processos artísticos possibilita também a descoberta de habilidades, bem como o desenvolvimento da sensibilidade e de relações harmoniosas consigo e com o mundo”, assinala a arteterapeuta, que é também professora e pesquisadora.

A TÉCNICA

A Arteterapia utiliza a expressão simbólica, de forma espontânea, sem preocupar-se com a estética, através de linguagens expressivas como pintura, modelagem, colagem, desenho; tecelagem, expressão corporal, sons, músicas, gravura, dentre outras, mas utiliza fundamentalmente as artes plásticas.

 

                                                                  Como atuam os arteterapeutas?

Os profissionais trabalham com pessoas de todas as idades, casais, famílias, grupos e comunidades. Conforme Marilei, os serviços são desenvolvidos individualmente e como parte de equipes profissionais em contextos que incluem saúde mental e reabilitação em instituições médicas, legais, centros de recuperação, programas comunitários, escolas, instituições sociais, empresas, ateliês e prática privada.

Ela assinala que a relação entre o terapeuta e a pessoa é de importância central, já que a Arteterapia ocorre em de três vias: entre a pessoa, o terapeuta e a imagem ou artefato. “É com esse pensamento que desenvolvo meu trabalho, acreditando que ‘no fazer’ e no contemplar a arte, a pessoa poderá se reconhecer”, garante.

Marilei enfatiza que, para isso, o arteterapeuta tem que saber fazer as escolhas de materiais e dos momentos para usá-los. “Na realidade, qualquer atividade feita com prazer gera resultados intelectuais e comportamentais positivos”, assinala, ao lembrar que por isso a arte como terapia não apresenta contraindicação.  Por outro lado, ela frisa que para ser um arteterapeuta é necessária uma formação específica e um treinamento prático. Para que o profissional seja reconhecido como arteterapeuta pela Associação Catarinense de Arteterapia, é necessário que curse uma especialização e possua o currículo mínimo estabelecido pela União Brasileira de Arteterapia.

Imagens

selo_final_Prancheta 26.png
Mais lidas do dia

LEIA TAMBÉM

EDITORIAS

Rua Duque de Caxias, 1302, Centro. São Miguel do Oeste – SC. CEP: 89900-000 Telefone: (49) 3621-1244

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina