Siga nossas redes

      
selo_final_Prancheta 4.png


Cabeça no mundo e pés no chão

A história da constante busca de ingredientes para fazer uma receita de sucesso no extremo oeste catarinense

Folha do Oeste
ok
Foto: Divulgação

O sonho de comprar uma casa para a mãe talvez tenha sido o principal motivador da trajetória empreendedora de Acari Menestrina, proprietário da Gran Mestri, empresa produtora de queijos nobres localizada em Guaraciaba e que é referência em qualidade e tecnologia para toda a América Latina.

Ainda criança perdeu o pai, e a mãe foi trabalhar como cozinheira, sendo então criado com a ajuda dos avós, descendentes de italianos na cidade natal, Rio dos Cedros, Médio Vale do Itajaí. “Comecei segurando o rabo da vaca para a nona tirar o leite”, conta, ao citar os primeiros passos do caminho trilhado que, mais tarde, aos 17 anos seria incrementado com a formação de técnico em agropecuária e a contratação pela Acaresc, atual Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina), para atuar em Guarujá do Sul.

Tendo sempre em mente seu principal objetivo, a casa da mãe, Menestrina traçou novas metas. No extremo oeste, sem asfalto, energia elétrica e com pequenas propriedades produtoras de cereais e suínos, com leite destinado somente ao consumo familiar, ele percebeu características que potencializavam a criação de uma bacia leiteira, referência no país.

O fomento à atividade despertou a possibilidade de novos desafios à frente de empresas, que na década de 1980 passaram a coletar o leite do extremo oeste catarinense e encaminhá-lo para a industrialização. Contudo, a visão empreendedora instigava-o a querer mais, mais um grande desafio.

Em 1989, Menestrina criava a Laticínios Cedrense, em São José do Cedro, para trabalhar com mil litros de leite e fechar queijos manualmente. O empreendimento foi de vento em popa. A cada ano era instalada uma nova filial, totalizando dez nos três estados do Sul, até que em 2009, com uma carta de mais de 80 produtos feitos com um milhão de litros de leite, Menestrina anunciava o “ponto da virada”.

BOUTIQUE DE QUEIJOS

“Antes eu tinha fábricas grandes e hoje eu tenho uma grande fábrica”, destaca Menestrina ao se referir à Gran Mestri. Segundo ele, a partir de 2004 o setor lácteo segue uma tendência em que haveria espaço somente para grandes empresas, agroindústrias familiares e para um novo nicho de mercado: a boutique de queijos.

Essa foi a razão para que vendesse a Laticínios Cedrense há cerca de três anos e passasse a trabalhar em um novo projeto. “Eu tinha vários problemas. Não era eficiente, os equipamentos já estavam ficando ultrapassados, tinha problemas ambientais e, por isso, vendi passivo e ativo”, relata o empreendedor que hoje atua em um complexo industrial com tecnologia de ponta, reflorestamento e área para tratamento de efluentes, com capacidade para estocar um milhão de quilos de queijo.

Menestrina conta com ajuda de pelo menos 200 colaboradores diretos e mais de mil indiretos para ter um faturamento de R$ 150 milhões. “Esse parque industrial, sem dúvida, está pronto para os próximos 20 ou 30 anos. Dá pra dizer que nós vamos evoluir em cinco anos, 50 da cultura europeia”, salienta. Seguindo esse viés, ele ainda enfatiza que “cabeça e paraquedas só funcionam abertos e é preciso estar sempre atento às mudanças porque elas ocorrem todo dia e várias vezes no mesmo dia”.

“PUNTO DI NON RITORNO”
(Ponto da virada)

Rendimenti

Um arrojado projeto que resultou no parque industrial referência para a produção de queijos nobres como o Gran Mestri, entre outras iguarias, que mantém a tradição italiana em Santa Catarina. Também o reconhecimento por ser um empreendedor visionário, com mais de cem premiações e menções.

Tempo di preparazione

Uma vida dedicada ao conhecimento de toda a cadeia produtiva do setor lácteo, desde o campo, passando pela industrialização, comercialização, logística, até o mercado consumidor. Horas e horas de leitura, viagens internacionais e missões técnicas.

Costo

Credibilidade do nome, patrimônio construído a partir do conhecimento que viabilizou parcerias financeiras, inclusive de italianos, para execução do projeto.

Ingredienti

- 1 maço de gestão;
- 4 cubos de planejamento estratégico;
- 3 xícaras de qualidade por excelência;
- 2 colheres de custo baixo para a produção; 
- Meio copo de tempo para ouvir o cliente;
- 1 equipe de talento;
- Matéria-prima de qualidade;
- Paixão e alma em tudo que se faz por gosto;



 

 

 

 

Il modo di fare Acari Menestrina

Ao perceber a saturação do mercado e a mudança no comportamento do consumidor, adeque os procedimentos de acordo com os novos cenários: produtos diferenciados e com alto valor agregado. Prepare um novo negócio. Em uma tigela adicione um maço de gestão e os quatro cubos de planejamento estratégico com a matéria-prima de qualidade - cuja produção é orientada por profissionais técnicos.

Depois, misture o custo baixo para a produção - tendo em vista a tendência de centralizar as atividades em uma única estrutura -, a equipe de talento, a qualidade por excelência e reserve. Para chegar ao resultado que supera padrões internacionais, incremente a receita com as opiniões de clientes e modernização observadas em receitas de produtos semelhantes. Ao finalizar, salpique alma e polvilhe paixão a gosto.
Deixe esfriar e leve até os pontos de venda.

Imagens

selo_final_Prancheta 26.png
Mais lidas do dia

LEIA TAMBÉM

EDITORIAS

Rua Duque de Caxias, 1302, Centro. São Miguel do Oeste – SC. CEP: 89900-000 Telefone: (49) 3621-1244

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina