Siga nossas redes

      
selo_final_Prancheta 4.png


CADERNO

Sustentabilidade ambiental pode ser uma aliada das obras

Folha do Oeste

A adesão aos conceitos e práticas de sustentabilidade nas construções tem ganhado mais força nos últimos anos. Investir em empreendimentos que aliam conforto, bem-estar e contato com a natureza tem sido um desafio para engenheiros e arquitetos. 

Uma construção pensando no meio ambiente consiste em reduzir os impactos ambientais a partir da utilização de recursos próprios, como captação da água da chuva armazenada em cisternas e sistema de geração de energia renovável, como a solar.

O diretor proprietário da Macodesc, Paulo César Stürmer, diz que investir em áreas verdes é uma necessidade e que a própria empresa projeta os empreendimentos preservando as áreas verdes existentes. “Nossos empreendimentos preveem manter as áreas verdes intactas, adequando o projeto para que os moradores possam usufruir do contato com o meio ambiente mesmo morando em apartamentos”, disse. 
A Bolfe Engenharia é reconhecida pela preocupação ambiental que demonstra em seus empreendimentos. A construção passa por um planejamento sustentável do empreendimento, combinando eficiência energética, gestão e economia de água, uso racional dos materiais e gestão dos resíduos da obra. “A empresa tem a premissa de estabelecer diretrizes para a escolha de materiais e técnicas construtivas para obras mais sustentáveis, visando sempre a satisfação e qualidade de vida dos nossos clientes”, salientou Bolfe. 

Para Astor Kist, a questão ambiental é discutida há muitos anos. Observam-se no dia a dia as mudanças climáticas na nossa região, que sofre com chuvas, ventos fortes e granizo em todas as estações do ano. “Devemos buscar ações coletivas para que melhorias sejam implantadas na hora de construir. Muito já foi feito se comparado a anos passados, mas temos, como setor da construção, que evoluir nesse sentido”, afirmou.

ÁGUA DA CHUVAta.jpg

A Bolfe adota, para construção de suas obras, um sistema inovador de utilização de água da chuva. Esse sistema permite que o canteiro de obras gaste pouquíssima água tratada. A técnica está em captar a água dos terraços e lajes da edificação, armazenar em cisternas e disponibilizá-la nos pontos de uso, para todo o processo construtivo da obra. Também há um sistema para ser utilizado pelos moradores, com o empreendimento finalizado. Este sistema capta água da cobertura, filtra e armazena em cisternas, e estas alimentam pontos de consumo que são dispostos em todos os pavimentos, nas áreas de uso coletivo.

RECICLAGEM DE RESÍDUOS

A Bolfe faz a separação dos resíduos gerados no canteiro de obras, para reutilizá-los. Por exemplo, fazendo uso de um moinho para reciclagem de restos de blocos cerâmicos, blocos de concreto e diversos outros resíduos, gerando um material que pode substituir até 30% da areia na composição de alguns traços de argamassa. No mesmo moinho são reciclados os restos de gesso, resultando em um produto similar ao calcário, que pode ser utilizado na lavoura. O conceito básico é que, quando amontoamos os restos de obras, estes se tornam entulho, porém quando tratados de maneira correta separando-os por tipo (destino e uso), acabam se tornando produtos recicláveis.

selo_final_Prancheta 26.png
Mais lidas do dia

LEIA TAMBÉM

EDITORIAS

Rua Duque de Caxias, 1302, Centro. São Miguel do Oeste – SC. CEP: 89900-000 Telefone: (49) 3621-1244

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina